30 de setembro de 2013

Sangue Quente - Isaac Marion - Opinião




Título: Sangue Quente
Série:Warm Bodies (#1)
Autor:  Isaac Marion
Editora: Leya
Publicado: 2011
Nº de páginas: 252



Sinopse: “Oi, eu sou um zumbi e isso não é tão ruim assim. Me desculpe por não poder me apresentar direito, mas não me lembro do meu nome, nenhum de nós se lembra. Também nos esquecemos de nossos aniversários e das senhas do banco. Acho que meu nome começava com R. É engraçado, porque, quando era vivo, vivia me esquecendo do nome dos outros. Estou descobrindo que esse tipo de ironia está muito presente na vida dos zumbis, mas é difícil rir quando mal consigo falar.”

Em algum momento da história, os zumbis apareceram e agora o mundo está destruído. Os humanos normais fugiram para dentro dos enormes estádios de futebol e lá criaram suas pequenas comunidades. Mas nossa história é contada do ponto de vista de R, um zumbi que se arrasta como os outros, caça como os outros, come carne e cérebros (a mais fina iguaria) como os outros, mas que, às vezes, tem sonhos de como era ser humano, tenta se lembrar de sua vida anterior e filosofa sobre isso.
Um dia, em um caçada, R encontra Julie e, no meio da carnificina que seu grupo impõe ao dela, algo o impede de matá-la. Mas o que aconteceu? É possível haver atração entre humanos e zumbis? Serão eles Romeu e Julieta de um mundo pós-apocalíptico?
Isaac Marion mergulha fundo no mundo dos zumbis e os leva a um novo patamar, respondendo essas e outras perguntas que assolam os fãs, como, por exemplo, por que os zumbis comem o cérebro das pessoas, será que eles pensam ou só se arrastam e babam e o que acontece com seu corpo depois de anos de degeneração.


Opinião: 


Aviso: Esta review será... contraditória...

Não consegui chegar ao fim. Parei no "Segundo Passo". Resolvi parar porque, sinceramente, não me despertou interesse a leitura. Antes de continuar, acho melhor dizer que zumbis não são meu tipo. Dito isto, para que então começar a ler algo desse tipo? Ora, queria dar uma chance, afinal, quem sabe eu não mudasse de ideia? Não sou do tipo que não muda a opinião de jeito nenhum, tento deixar a mente aberta para que se o argumento for bom e interessante, porque não? Mas no caso desse livro, comecei no começo do mês de Março e até agora não consegui chegar nem na metade. Não que eu não pudesse demorar mais tempo para lê-lo, mas é que... simplesmente não me despertou nenhum interesse. Não tenho curiosidade em saber mais, em saber como irá terminar, e enfim, não senti nada em relação a história. Ficou como "uma leitura tanto faz". Tanto faz eu ter lido o livro todo, como ter lido uma parte, como não ter lido nada.

Até já havia tentado algo em leitura e tv em relação aos zumbis - já li una dois volumes da HQ do Walking Dead, e um tempo antes a série de tv dessa mesma hq. E... nada. Até achei mais interessante a hq do que a série, porém, mesmo assim, não me deu vontade de saber mais. Então creio que é melhor aceitar que não é lá do meu gosto e tentar não ler algo do tipo tão cedo - se é que tentarei ainda.

Agora, a contradição:

Na primeira página do livro, eu ri. E aí pensei: ah, será que dessa vez passo a me interessar por zumbis? Bem, já contei o que aconteceu mais acima.

Mas, tenho que dizer que mesmo sendo esquisito a história sob a perpectiva de um zumbi - ele pensando e falando(!), etc -, o jeito com que o autor o escreve faz com que você pense que aquilo pode ser de fato um zumbi que faz o que faz, pensa o que pensa e todo o resto. E de verdade, a escrita é fluída, mesmo sendo o livro narrado por um zumbi que pouco fala.

Bem, não sei mais o que pensar. Porque não detestei o livro. Acho que irei ver o filme, ao menos para saber o final sem ter que lê-lo.

Se você tiver ao menos um mínimo interesse em histórias de zumbis, então é provável que você goste, pois a história se lê bem. Bom, se você esperar que seja algo de terror, melhor não lê-lo, pois o máximo de terror que tem é falando como eles comem, porém mesmo isso me incomodando um pouco, não é algo lá repulsivo.








O tentar foi entre os dias 5 à 27 de Março de 2013.

Estantes


29 de setembro de 2013

Estou Lendo...








Se fosse em outro momento, era possível que estivesse adorando. Isso se não fosse eu estar sem vontade de ler! Raios! Esse ano está: leio 1/2/3 livros no máximo  e... Bloqueio literário! Caramba! Vou terminar mais algum nesse ano?

Área 81 - Stephen King - Opinião





Título:  Área 81 
Autor: Stephen King
Editora: Plaza & Janés

Publicado: 2012
Nº de páginas: 60



Sinopse: Área 81, es un área de servicio abandonada y cerrada desde hace tiempo. Pete Simmons, un curioso niño de 10 años, decide ir con su bici hasta esta área abandonada donde sabe que los chicos mayores van para fumar, colocarse y montárselo con sus chicas. Y allí se encuentra una botella de vodka medio llena que decide probar. Pete acaba emborrachándose y cuando se despierta, descubre un coche aparcado allí, un coche sin matrícula y cubierto de barro. La puerta está medio abierta, pero no se ve a nadie dentro...

Un coche que, sin duda, recordará a los que ya aparecieron en anteriores novelas como Christine o Buick 8. Un guiño a sus lectores que han clasificado esta novela corta como "una delicia, un clásico, una novela impactante, terrorífica..."



Opinião:

É o primeiro que leio do Stephen King. E gostei. Gostei da escrita, mas a história não me pegou tanto. As 4 estrelas vão mais pelas partes das crianças, que foram o que mais gostei no livro. 









Início da Leitura: 21/04/2012
Término: 23/04/2012

27 de setembro de 2013

Se Houver Amanhã / Nada Dura Para Sempre - Sidney Sheldon - Opinião




Livro Vira-Vira da Saraiva

Título: Se Houver Amanhã / Nada Dura Para Sempre
Autor: Sidney Sheldon
Editora: BestBolso
Publicado: 2009
Nº de páginas: 742



Lidos em momentos diferentes.








Sinopse: Crimes perfeitos, como o roubo de um quadro de Goya do Museu do prado, são um desafio pára Tracy Whitney. Mas ela não é uma ladra qualquer: para vingar-se dos homens que a colocaram injustamente na prisão, Tracy torna-se uma especialista em aplicar golpes em empresários inescrupulosos. De Nova Orleans a Londres, passando por Paris, Biarritz, Madri e Amsterdam, ela desafia a Interpol com uma série de ações ousadas, tendo como rival apenas Jeff Stevens, um irresistível trambiqueiro.


Opinião:

Quando li a sinopse deste livro (em algum outro lugar), e um tanto ainda no início da leitura pensei: acho que este livro irá passar a maior parte dele com a protagonista em busca de vingança e me perguntava como - e se - iria dar tempo para ela se transformar em uma ladra (achava que não). Engano completo. Felizmente. A vingança foi relativamente rápida, e depois o livro começou a virar... e ir para outro caminho... e foi ótimo!

Impressionante foi que este livro (pelo que vi no site Goodreads) foi lançado em 1985! Digo issso porque o livro poderia se passar muito atualmente, tirando alguma coisa ou outra, claro.

E o casal Tracy e Jeff? Simplesmente um dos primeiros encontros mais legais e incríveis que já li!! Adorei os dois!! E como não torcer pelo casal-ladrão?

Adorei o livro (bom, já deu a entender isso) e se tornou um dos favoritos do autor e de sempre. Recomendo!








Início da Leitura: 01/04/2012
Término: 19/08/2012







Sinopse: Kate Hunter, Betty Talf e Paige Taylor são as únicas mulheres em um grupo de médicos residentes de um hospital de São Francisco. Além de trabalharem juntas, elas dividem o mesmo apartamento e protagonizam situações, no mínimo, insólitas: a primeira, por pouco não provoca a interdição do hospital; a segunda mata um doente em troca de 1 milhão de dólares; e a terceira é assassinada. Em "Nada Dura Para Sempre", Sidney Sheldon envolve o leitor em uma trama na qual transitam profissionais da medicina e mafiosos, pacientes e viciados em drogas. Um jogo de gato e rato capaz de tirar o fôlego, com todos os elementos que transformaram os livros de Sheldon em campeões de vendas.


Opinião: 

Este já é o terceiro livro que leio do Sidney Sheldon e como as outras obras, adorei. Gosto do começo já ativo e sem descanso. E se estende assim até o final do livro. Quando você acha que vai melhorar a vida dos personagens, não é bem assim que acontece e na última frase de algum parágrafo, tudo muda. Bem, mais um livro que prende a atenção, de leitura agradável e rápida.







Início da Leitura: 12/10/2011
Término: 01/11/2011

26 de setembro de 2013

O Lado Bom da Vida - Matthew Quick - Opinião






Sinopse: 


Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um “tempo separados”. 
Tentando recompor o quebra-cabeça de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com o pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida.



Opinião: 

Quando comecei a leitura, rapidamente minha mente fez uma associação do personagem Pat com o personagem do Cirilo, de uma novela chamada Carrossel - que para quem não viu, é uma novela infantil, que eu me lembre criada na Argentina mas que aqui no Brasil a versão que é muito conhecida e adorada foi a mexicana (que cheguei a ver, mas como era muito menina, não lembro mais direito, apenas que gostava). No ano de 2012, fizeram uma versão brasileira, que ainda passa mas não falta muito para acabar, que faz bastante sucesso.

Por que? Bem, claro que não pela doença ou algo do tipo, e sim pela adoração que o Pat tem pela Nikki, coisa que o Cirilo tem pela Maria Joaquina. Tudo o que o Cirilo faz é pensando se a Maria Joaquina irá gostar e para agradá-la. Porém ela sempre o maltrata e rejeita-o. E mesmo assim o Cirilo sempre pensa bem dela, mesmo ela o tratando dessa forma.
Outro casal que também me fez a associação com outro de Carrossel, foi o Ronnie e a Veronica, que me pareceu o Davi e a Valéria, já que tudo o que a Valéria manda o Davi obedece. Enfim, não pense que fiz essas analogias para uma lado ruim, não é nada disso, pelo contrário. Associou-se assim em minha mente creio que também por ver a novela que fez parte de minha infância e que gostei muito. E como já viu que as estrelas ao livro não foram poucas...

Agora comentando sobre o livro:

Gostei bastante da leitura. Gostei da escrita e foi fácil de ler. Gostei também de como foi abordado as confusões mentais do Pat. Gostei porque foi de uma delicadeza, de uma forma que me pareceu tão natural e ao mesmo tempo isso tudo não tornou pesada a leitura do livro. Gostei das relações de amizade, seja com os irmãos quanto com os companheiros de torcida de time. Gostei da relação de amizade e da forma como o médico, o Cliff, tratava o Pat. Era muito interessante ver que o médico não impunha coisas para o Pat e quando ele chegava com certas ideias fixas ao consultório, ele falava algo simples até, que fazia com que o Pat se esquecesse mais do problema criado em sua mente. Gostei dos outros personagens também, como a "colega boca suja" Tiffany, de sua família - tirando o pai -, de seus amigos.

O que não gostei: acho que apesar de muitas das cenas nos jogos de futebol americano serem importantes, foi um tanto cansativo ler tantas descrições sobre, creio que por não entender nada do esporte e também não estar nem um pouco afim de aprender. Achei também que o final do livro ficou um pouco apagado, poderia ter mais coisas, sei lá, algo a mais para não ficar essa sensação de que deveria ter mais, que "o filme da vida de Pat" não acabasse morno.

Por falar em filme, ainda não o assisti, porém quero fazer isso em breve. Só vi o trailer e me pareceu com muitas diferenças em relação ao livro. Espero que não seja para pior...

Voltando ao livro, é uma leitura agradável e recomendo-a se você quiser um bom tempo em algum livro.






4,3 de 5 estrelas



Início da Leitura: 03/04/2013
Término: 20/04/2013



O Lado Bom da VidaO Lado Bom da Vida by Matthew Quick
My rating: 4 of 5 stars

4,3 estrelas

Quando comecei a leitura, rapidamente minha mente fez uma associação do personagem Pat com o personagem do Cirilo, de uma novela chamada Carrossel - que para quem não viu, é uma novela infantil, que eu me lembre criada na Argentina mas que aqui no Brasil a versão que é muito conhecida e adorada foi a mexicana (que cheguei a ver, mas como era muito menina, não lembro mais direito, apenas que gostava). No ano de 2012, fizeram uma versão brasileira, que ainda passa mas não falta muito para acabar, que faz bastante sucesso.

Por que? Bem, claro que não pela doença ou algo do tipo, e sim pela adoração que o Pat tem pela Nikki, coisa que o Cirilo tem pela Maria Joaquina. Tudo o que o Cirilo faz é pensando se a Maria Joaquina irá gostar e para agradá-la. Porém ela sempre o maltrata e rejeita-o. E mesmo assim o Cirilo sempre pensa bem dela, mesmo ela o tratando dessa forma.
Outro casal que também me fez a associação com outro de Carrossel, foi o Ronnie e a Veronica, que me pareceu o Davi e a Valéria, já que tudo o que a Valéria manda o Davi obedece. Enfim, não pense que fiz essas analogias para uma lado ruim, não é nada disso, pelo contrário. Associou-se assim em minha mente creio que também por ver a novela que fez parte de minha infância e que gostei muito. E como já viu que as estrelas ao livro não foram poucas...

Agora comentando sobre o livro:

Gostei bastante da leitura. Gostei da escrita e foi fácil de ler. Gostei também de como foi abordado as confusões mentais do Pat. Gostei porque foi de uma delicadeza, de uma forma que me pareceu tão natural e ao mesmo tempo isso tudo não tornou pesada a leitura do livro. Gostei das relações de amizade, seja com os irmãos quanto com os companheiros de torcida de time. Gostei da relação de amizade e da forma como o médico, o Cliff, tratava o Pat. Era muito interessante ver que o médico não impunha coisas para o Pat e quando ele chegava com certas ideias fixas ao consultório, ele falava algo simples até, que fazia com que o Pat se esquecesse mais do problema criado em sua mente. Gostei dos outros personagens também, como a "colega boca suja" Tiffany, de sua família - tirando o pai -, de seus amigos.

O que não gostei: acho que apesar de muitas das cenas nos jogos de futebol americano serem importantes, foi um tanto cansativo ler tantas descrições sobre, creio que por não entender nada do esporte e também não estar nem um pouco afim de aprender. Achei também que o final do livro ficou um pouco apagado, poderia ter mais coisas, sei lá, algo a mais para não ficar essa sensação de que deveria ter mais, que "o filme da vida de Pat" não acabasse morno.

Por falar em filme, ainda não o assisti, porém quero fazer isso em breve. Só vi o trailer e me pareceu com muitas diferenças em relação ao livro. Espero que não seja para pior...

Voltando ao livro, é uma leitura agradável e recomendo-a se você quiser um bom tempo em algum livro.

View all my reviews

Legend : a Verdade Se Tornará Lenda - Marie Lu - Opinião




Série: Legend
Autor: Marie Lu


Sinopse: 

"LEGEND é o primeiro livro da série distópica há muito aguardada pelos fãs. Ambientado na cidade de Los Angeles de 2130 d.C, na atual República da América, conta a história de um rapaz – o criminoso mais procurado do país – e de uma jovem – a pupila mais promissora da República –, cujos caminhos se cruzam quando o irmão desta é assassinado e a ela cabe a tarefa de capturar o responsável pelo crime. No entanto, a verdade que os dois desvendarão se tornará uma lenda."


Opinião:

Na verdade ainda não sei bem que nota dar. Gostei, mas não adorei. Gostei o suficiente para valer mais de 3 estrelas, mas não o suficiente para 4. Não sei, durante a leitura sempre me veio a mente que se a história fosse só do ponto de vista do Day, teria gostado bem mais. Mas antes de explicar isso, vou dizer sobre outra coisa:

Escrita: Achei fluida e teve bastante ação ao longo do livro. Mas ao mesmo tempo não foi o suficiente para me fazer devorar... talvez seja por causa de alguma personagem...

Day: Não foi problema dele, pois gostei dele desde o começo do livro. Me interessei por sua história e as partes dele me mantinham a vontade de querer saber mais. Gostei de sua família - que a maior parte só foi "vista" através das memórias dele. Bem que gostaria que ao longo do livro eles convivessem mais...

June: O meu problema foi com ela. Criei uma antipatia desde o começo - não sei bem quando, mas creio que logo na sua primeira parte. Arrogante, talvez fosse uma palavra que a descreve bem. Não me desceu! E, ao longo da história isso só foi crescendo: não me interessei pelo seu ponto de vista, quando sabia que viria alguma parte dela já perdia a vontade de continuar - ficava ainda mais lenta a leitura com isso -, e suas atitudes... Até entendo o que ela fez, mas isso não significa que tenha que achar bom... Não gostei mesmo! Não cheguei a "odiá-la", mas não gostei! Próximo ou ao final do livro foi que ela deu uma melhorada, mas isso não fez com que eu gostasse dela mesmo assim. Apesar dela eu não ter gostado, me interessei pela sua família. Gostaria de que o irmão dela tivesse vivido mais, acho que daria boa história com ele - não sei como.

Enfim, não sei se continuarei com a saga, mas se for, não creio que será tão cedo.



3,9 de 5 estrelas



Início da Leitura: 09/05/2013
Término: 07/06/2013

25 de setembro de 2013

Dos, por la pasta - Janet Evanovich - Opinião




Título: Dos, por la pasta (#2)
Série: Stephanie Plum 
Autor: Janet Evanovich



Sinopse:


La investigadora Stephanie Plum ha vuelto, y con mucho más carácter. Esta vez, va tras la pista de Kenny Mancuso, un compañero de trabajo en Trenton, New Jersey, que ha disparado a su mejor amigo. Ha salido hace poco de la Armada y es sospechosamente rico, Mancuso también está relacionado de manera lejana con Joe Morelli, un subdirector de policía de dudosa reputación… y que le gusta mucho meterse en los asuntos de Stephanie.



Opinião: 

Adorei!

Neste segundo livro, embora a Stephanie não estivesse mais tão inexperiente, ainda assim ocorream suas trapalhadas - e acho que mesmo quando ganhar experiência, ainda assim não perderá isso, é sua característica. O que faz nós leitores rirmos bastante. Porém, meu personagem favorito, mais uma vez, é a vovó Mazur. Com ela, tenho gargalhadas! Além das gargalhadas, eu a adoro por ser tão sagaz e sem medo de enfrentar as coisas.
Como não gostar dela quando pega uma 45 da bolsa para atirar num bandido para ele aprender a se comportar com os velhinhos?

Uma personagem que apareceu um pouco e que me chamou a atenção foi a Lula. Acho que ela pode dar bons frutos - o que para nós leitores irá provocar risos. Espero que ela apareça mais nos próximos livros.

Na verdade, quero que a Lula e a Mazur se juntem a Stephanie e formem um time. Isso é que seria bom! Só imagino as gargalhadas que poderão nos dar todas juntas! Quero time!

E para terminar, um personagem que apareceu mais neste livro foi o Joe Morelli. E devo dizer que estou começando a gostar mais dele. Não que não gostasse antes, mas agora é que ele se mostrou como policial e não estava do lado de lá da história. Estou torcendo por ele e Stephanie, apesar dele ser tão danadinho com ela e aprontar certas coisas. Morelli, abaixa a guarda!

Bom, quero continuar com a série, que são sei se já é, mas se tornará uma das minhas favoritas. Falta pouco para isso.








Início da Leitura: 18/01/2013
Término: 01/02/2013

Estilhaça-Me - Tahereh Mafi - Opinião



Título: Estilhaça-Me (#1)
Série: Shatter Me
Autora: Tahereh Mafi
Editora: Novo Conceito
Publicado:
2012
Nº de páginas:
304


Sinopse:

 Juliette nunca se sentiu como uma pessoa normal. Nunca foi como as outras meninas de sua idade. O motivo: ela não podia tocar ninguém. Seu toque era capaz de ferir e até matar.
Durante anos, Juliette feriu e, segundo seus pais, arruinou o que estava à sua volta com um simples toque, o que a levou a ser presa numa cela.

Todo dia era escuro e igual para Juliette até a chegada de um companheiro de cela, Adam. Dentro do cubículo escuro, Juliette não tinha notícias do mundo lá fora. Adam ia atualizando-a de tudo.

Juliette não entendeu bem o que estava acontecendo quando foi retirada daquela cela e supostamente libertada, ao lado de Adam, e se vê em uma encruzilhada, com a possibilidade de retomar sua vida, mas por caminhos tortuosos e totalmente desconhecidos.

"Estilhaça-me" é um romance fantástico, que intriga, angustia e prende o leitor até a última página com uma história surreal que mistura amor, medo, aventura e mistério e traz um desfecho surpreendente.


Opinião: 
 
Não sei bem por onde começar...

 Bem, talvez dizendo que este livro é mais um romance do que uma distopia. A distopia foi usada mais como um "pano de fundo" para a história e achei bem fraquinho como foi abordado no livro - não sei em relação aos próximos livros da saga, mas neste foi assim. Quando percebi isso - não sei em qual parte do livro -, então pensei que, está bem, vamos olhar por este lado e deixar de lado o que seria o assunto do livro, quem sabe mesmo assim não goste?

Bom, no geral, até que gostei da história, do romance em si, embora não seja nada demais. Tinha também um bom ritmo, o que talvez de algum modo colaborou que me prendesse um pouco a atenção para continuar lendo e querendo saber mais da história - se tivesse me entediado, aí que não daria para continuar de forma alguma, mas explico o porque mais abaixo. Gostei dos personagens - ao menos nenhum me irritou -, embora também eles não sejam lá memoráveis. A protagonista Juliette, não era uma heroína em um sentido de que era a mais forte eem tudo e lutava contra tudo e todos, mas também não era do tipo insuportável. Por tudo que ela passou, era de se esperar certos comportamentos. Gostei do Adam, do James, do Kenji...

Olha, se fosse só por isso era provável que daria umas 3 ou talvez até 4 estrelas, porque achei a história legalzinha, nada inesquecível, porém daria para passar um bom tempo e se distrair com algo mais leve.
 Só que... se a balança já não pendia tão alta por causa da história, despencou de vez para o lado baixo, por causa da... escrita.

Oh céus... por onde começar a falar dessa escrita...

 Foi tão má, mas tão má, que se fosse só por isso daria menos 20 estrelas! Eu não consigo entender porque de escrever desse jeito se tinha uma história que simplesmente serviria como um entretenimento, que poderia ser interessante - acabar sendo assim algo desse tipo!

 Antes de pensar em comprar o livro e mesmo quando fui me decidir que queria lê-lo, li algumas opiniões e muitas delas diziam que havia muitos riscos durante a leitura, no texto, e aí fiquei preparada para que viesse isso e até que me irritasse por isso - muitas pessoas se irritaram.

Durante a leitura, me incomodou bastante esses riscos, porém, nada me irritou tanto quanto outras coisas nessa escrita: INÚMERAS AS VEZES EM QUE SE REPETIAM PALAVRAS NUMA MESMA FRASE! Era 3, 4, 5(!) vezes repetidas as palavras em uma mesma frase, em que eu ficava me perguntando o POR QUE disso! Ah, também haviam as FRASES repetidas!

 Vamos aos exemplos:  

"...Decidi que suas ações eram mais imaturas que ameaçadoras. Ele me parece tão familiar tão familiar tão familiar."... 

"...Seus lábios seus lábios seus lábios seus lábios" 

"...Minha pele está suando frio, meus dedos tremem de repulsa, minhas pernas são incapazes de suportar o esbanjamento o esbanjamento o esbajamento o esbanjamento egoísta nestas quatro paredes..." 

"...Não quero que ele solte meu corpo nunca nunca nunca nunca."

 "- Ele vai me dar um jantar? - Estou morrendo de fome meu estômago é um buraco atormentado de fome estou tão faminta tão faminta tão faminta"

 

Olha que peguei essas frases aleatoriamente, imagine se fosse analisar mais...

E outra coisa que precisava de corte eram as INTERMINÁVEIS DESCRIÇÕES DE SENTIMENTOS de Juliette! ERA EM TODO PENSAMENTO, EM TODO TÉRMINO DE FALA, EM TODO PARÁGRAFO que havia isso E DURANTE TODO O LIVRO e eu continuo me perguntando o POR QUE, PARA QUE, ISSO TUDO?! Ah, também era tanta analogia ruim, tanta metáfora ruim, tanto para descrever os sentimentos de dela quanto para todo o resto, que só consigo pensar que era para ficar bonito, romântico. Mas esse "floreamento" no texto só me pareceu forçado, irritante, chato, desnecessário e exagerado! - Veja bem, eu sou a primeira a querer que faça diferente, que não seja igual a todo mundo, mas isso aqui não dá! Era uma frase lida e revirava os olhos por não crer no que estava lendo!

 Quer ver? Então mais um exemplo:

 "...— Ei. — Sua voz é suave tão suave tão suave. Seus braços são mais fortes que todos os ossos de meu corpo. Ele puxa minha figura enfaixada para perto de seu peito e eu estilhaço. Dois três quatro mil estilhaços de sentimento perfuram-me o coração, derretem-se em gotas de mel quente que suavizam as cicatrizes de minha alma. O cobertor é a única barreira entre nós, e ele me puxa para mais perto, mais firme, mais forte, até que escuto as batidas a sussurrar-lhe profundas dentro do peito, e o aço de seus braços ao redor de meu corpo desfaz todos os nós de tensão em meus membros. Seu calor derrete os pingentes de gelo que me sustentam de dentro para fora e eu descongelo, descongelo, descongelo, meus olhos tremulando rápido até que caem fechados, até que lágrimas silenciosas estejam jorrando-me rosto abaixo e eu tenha decidido que a única coisa que quero é congelar seu corpo segurando o meu."

Decidi por um parágrafo que caba dizendo bastante sobre a escrita.

Embora esteja algo curiosa sobre a história, queria saber como acaba, de verdade ao pensar que teria que enfrentar essa escrita de novo já me faz perder a pouca vontade que tenho. Não sei se terei coragem para tal coisa.

p.s. Desculpem-me os "gritos", mas é que não havia como eu dizer isso de um modo "baixo", foi muito irritante.








Início da Leitura: 20/04/2013
Término: 28/04/2013 

23 de setembro de 2013

Quem Tem Medo de Escuro? - Sidney Sheldon - Opinião



Título: Quem Tem Medo de Escuro?
Autor: Sidney Sheldon
Editora:
Record
Publicado:
2004
Nº de páginas: 378



Sinopse: Em Nova York, Denver, Paris e Berlim, quatro pessoas morrem em circunstâncias diferentes. Há apenas uma ligação entre elas: todas trabalhavam para o KIG, o Kingsley International Group, importante empresa de pesquisa de alta tecnologia, envolvida em estratégia militar, telecomunicações e questões ambientais. Logo percebe-se que as mortes não foram acidentais. E as viúvas de duas das vítimas, Diane e Kelly, passam a ser alvo de sucessivas tentativas de assassinato. Apavoradas, suspeitando uma da outra e armadas apenas de suas inteligências, tornam-se aliadas em um jogo mortal, no qual apostam as próprias vidas para descobrir a verdade. À medida que chegam ao fundo do mistério, começam a desvendar os segredos aterrorizantes que o KIG luta para ocultar. E percebem estar no meio de uma trama diabólica que pode afetar todo o destino do planeta. No estilo cativante que conquistou mais de 300 milhões de leitores em todo o mundo, Sidney Sheldon conta uma história nova cheia de suspense e com personagens inesquecíveis. Um grande romance de um dos melhores e mais populares autores de nosso tempo.


Opinião: 

Este foi um dos primeiros livros que li dele (na mesma época li também A Ira dos Anjos dele, mas não sei qual foi o primeiro - creio que foi este aqui, mas não tenho certeza). E AMEI. A leitura me "pegou" logo nas primeiras páginas, e foi ação do início ao fim. Não dá muito tempo nem para piscar, que já acontecia alguma coisa. Terminava o capítulo com aquela vontade de continuar de não querer parar e quando parava para ver, já tinha lido mais um. E quando achava que não havia mais nada (de ruim) para acontecer com as protagonistas, opa! Acontecia mais e mais e cadê largar o livro? Creio que isso é uma particularidade do autor, sempre deixar as protagonistas cada vez em situações piores. E quando você acha que não tem como piorar, piora e muito. E quem disse que isso te faz largar o livro? Muito pelo contrário! Só quer largar quando termina (nem que seja alguma explicação do porque aquilo é daquele jeito).

Um dos meus livros favoritos de sempre.






A Ira dos Anjos - Sidney Sheldon - Opinião



Título: A Ira dos Anjos
Autor:
Sidney Sheldon
Editora: Record
Publicado: 1995
Nº de páginas: 418



Sinopse:

Jennifer Parker realiza seu sonho ao ingressar na equipe do Promotor Distrital de Manhattan, em Nova York. Sua carreira, no entanto, dura exatamente quatro horas - tempo que leva para cair em uma cilada, durante o primeiro julgamento do qual participa. Acusada de suborno, vê seus projetos irem por água abaixo: além do risco de ter a carteira de advogada cassada. Jennifer pode passar o resto de seus dias na cadeia. Assim começa a história de uma jovem bonita e inteligente e dos homens que influenciam sua vida, entre eles o íntegro Adam Warner, destinado a ser um líder de seu país, e Michael Moretti, um anjo das trevas que procura espalhar suas asas de terror sobre tudo e todos.

Opinião:

Eu AMEI este livro. Foi um dos primeiros que li deste autor (que desde então se tornou um dos favoritos) e me "pegou" já nas primeiras páginas. E fui me envolvendo com a história de uma tal forma que em uma parte, (que é um tempo divisor na vida da protagonista) me deu vontade de chorar (não cheguei a isso, mas fiquei com aquela coisa ruim na garganta, entende?). É um dos meus livros favoritos de sempre.






 

O Código Da Vinci - Dan Brown - Opinião









Título: O Código Da Vinci (#2)
Série:  Robert Langdon
Autor: Dan Brown
Editora: Sextante
Publicado:2004
Nº de páginas: 423



Sinopse: Um assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton. Momentos antes de morrer, Saunière deixa uma mensagem cifrada que apenas a criptógrafa Sophie Neveu e Robert Langdon, um simbologista, podem desvendar. Eles viram suspeitos e detetives enquanto tentam decifrar um intricado quebra-cabeças que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica. Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental - da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal. Mesclando os ingredientes de um envolvente suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, Dan Brown consagrou-se como um dos autores mais brilhantes da atualidade.

  
Opinião:

Foi o primeiro que li dele (só li mais um, o Ponto de Impacto, que gostei mais do que este). Gostei do livro. O problema maior que encontrei nestes dois livros (até agora) que li do Dan Brown, é que são explicações demais, isso cansa muito a leitura (sei que tem que ter explicações, não sou contra, mas com moderação).  

  



 

Leituras 2010


 Como não foram muitos e nem todos escrevi alguma coisa sobre, coloco as capas e pontuações que dei a eles:

J.D. Robb - Série Mortal (do #1 ao #5)

              
           
      4/5 estrelas                    5/5 estrelas             5/5 estrelas              4/5 estrelas









     

    5/5 estrelas


             

     5/5 estrelas            1/5 estrelas        3/5 estrelas


    Sidney Sheldon

                   

    (A Ira dos Anjos)            5/5 estrelas
     5/5 estrelas

    Quebra de Confiança de Harlan Coben [Opinião]


    Título: Quebra de Confiança | Deal Breaker
    Autor: Harlan Coben
    Série: Myron Bolitar #1
    Gênero: Mistério, Thriller, Suspense, Humor
    Ano: 2011
    Classificação: 5/5
    Início da Leitura: 02/10/2012
    Término: 30/10/2012




    Este é um momento importante na carreira de Myron Bolitar. Depois de agenciar alguns atletas pouco conhecidos, ele agora é o empresário de Christian Steele, a maior promessa do futebol americano de todos os tempos. Talentoso, bonito, centrado e carismático, tudo indica que o rapaz também poderá arrematar milhões em contratos de publicidade.
    Mas, ao mesmo tempo que vive o auge na carreira, Christian enfrenta um drama na vida pessoal. Um ano e meio atrás, sua noiva, Kathy Culver, desapareceu subitamente e, exceto pelos fortes indícios de que tenha sofrido uma agressão sexual, a polícia não conseguiu descobrir nada sobre sua última noite no campus da Universidade Reston.
    Prestes a ser contratado em uma negociação que pode ser a maior de todos os tempos em sua categoria, Christian recebe o exemplar de uma revista que traz a foto de Kathy em um anúncio de disque sexo. Além disso, o caso acaba de ganhar mais um ingrediente de terror: três dias atrás, Adam Culver, pai dela, foi morto em um assalto bastante suspeito. 
    Agora, com a ajuda de Win, seu melhor amigo, Myron tentará impedir que as notícias sobre a ex-noiva de Christian atrapalhem a carreira do rapaz e irá em busca da verdade – doa a quem doer.






    Adorei! Tudo!

    Bom, começo dizendo que na primeira página em que começa a história no livro me fez rir. E que durante o livro foram risos e mais risos.
    Mas antes de falar da causa dos risos, quero falar da escrita do Harlan Coben. Fluida e sem enrolação, você ia de uma pista a outra em muitas vezes ao terminar os capítulos - que por sinal eram curtos, não fazendo o leitor ficar cansado.

    Agora a parte do motivo dos risos: a "dupla dinâmica" formada pelo Myron e o Win. Ou mesmo só o Myron também. Me encantei pelo Myron naquela primeira página que eu disse mais acima. E foi me conquistando a cada página que passava. O seu humor... é demais!

    Quanto ao mistério, eu não esperava que esta pessoa a culpada. Claro, as possibilidades eram poucas (poucos suspeitos), mas não esperava a volta que se deu até a conclusão da história. O que foi muito bom.

    Só o que posso dizer mais é que se você quer ler algo bom de mistério (policial) com humor, vá para ele. Recomendo!






    La Mecánica Del Corazón - Mathias Malzieu - Opinião


    Título:  La Mecánica Del Corazón
    Autor:
    Mathias Malzieu
    Editora:
    Mondadori 
    Publicado: 2009
    Nº de páginas:
    176



    Sinopse: Imagina la noche más fría de la historia. La nieve cae sobre la ciudad de Edimburgo. En lo alto de una colina nace el pequeño Jack, pero su corazón está dañado. Y por eso necesitará reemplazarlo por un reloj de madera, un corazón artificial del que dependerá su vida. Acompañemos a Jack en su aventura quijotesca desde las frías callejuelas escocesas hasta una radiante ciudad andaluza, en busca del amor. Pero, ¡ciudado!, Jack debe seguir unas reglas para sobrevivir.

    Uno: NO TOQUES LAS AGUJAS.
    Dos: DOMINA TU CÓLERA.
    Tres: NO TE ENAMORES NUNCA.

    LA MECÁNICA DEL CORAZÓN DEPENDE DE ELLO.

    Deseemos suerte a Jack, y recuerda que, como en este cuento para ñinos grandes, todos hemos sufrido alguna vez por nuestro voluble corazón.



    Opinião: Quando estava no começo da leitura, o achei um tanto estranho. Não exatamente um estranho ruim, apenas pensava um pouco: ah é? Como assim este bebê pensa? E fiquei um tanto confusa.

    Mas a medida que fui lendo, a história foi me "pegando" e ficava com mais interesse sem perceber o quanto ia lendo. E por estar numa fase sem que tivesse muita vontade de ler, isso foi um ganho grande.

    A história, é de uma delicadeza, de uma mágica que te envolve rapidamente. Fiquei encantada.

    Uma boa escolha para começar as leituras deste ano de 2013.

    p.s. O autor, que é músico e tem uma banda - que se chama Dionysos -, criou um álbum para este livro. O álbum se chama "La Mécanique Du Coeur". Aqui duas músicas:






    p.s.2 Irá também haver um filme do livro, chamado "Jack et la mécanique du coeur" estreiando ao que parece em Fevereiro de 2014. O trailer:





    3,5 de 5 estrelas



    Início da leitura: 02/01/2013
    Término: 18/01/2013 

    22 de setembro de 2013

    Anna e o Beijo Francês - Stephanie Perkins - Opinião


    Título: Anna e o Beijo Francês 
    Autora: Stephanie Perkins
    Editora: Novo Conceito
    Publicado: 2011
    Nº de páginas: 288

    Sinopse: Anna Oliphant não está nada entusiasmada com a ideia de se mudar para Paris. Porém, seu pai, um famoso escritor norte-americano, decidiu enviá-la para um colégio interno na Cidade Luz. Anna prefere ficar em Atlanta, onde tem um bom emprego, sua fiel melhor amiga e um namoro prestes a acontecer. Mas, ao chegar a Paris, ela conhece Étienne St. Clair, um rapaz inteligente, charmoso e bonito, que além de muitas qualidades, tem uma namorada...
    Anna e Étienne se aproximam e as coisas ficam mais complicadas. Será que um ano inteiro de desencontros em Paris terminará com o esperado beijo francês? Ou certas coisas simplesmente não estão destinadas a acontecer?

    Opinião:

    Doçura... Fofura... Simplicidade... E mais tantas outras palavras que poderiam descrever o que sentimos ao longo do livro, que além de provavelmente serem sinônimos, iriam ficar enchendo a review só com elas... Mas para não ficar só em palavras...

     





      E para ler, nada melhor que...

      ...ou chá, ou chocotale, ou qualquer bebida quente de sua preferência para acompanhar...




    Durante a leitura sempre me veio a mente imagens boas, coisas boas. E, quando comecei o livro, não estava esperando que fosse me viciar - sim, é essa a palavra correta... Li as primeiras páginas, só para ver se iria dar em algo, principalmente porque venho de um bloqueio literário que não tinha jeito que me fizesse ler, e ainda ali pensei: vou dar uma olhada para ver onde termina o capítulo... e qual é minha surpresa? Ué, termina na próxima página! Minha lanterninha mental piscou um pouco: será que irei ler sem sentir? Já faz tempo que não leio algo que me faça sentir assim...

     E assim foi! Li aos pouquinhos nos primeiros capítulos, mas depois... comecei a devorar! Me dei conta de que estava assim quando em um dos dias de leitura parei de ler a 12:00 - leia-se meia-noite! Eu lendo a meia-noite? Ok, vou falar sobre a história em si...

     Adorei! Será que deu para perceber? - oh, não imagina! - E por que, se a história é tão simples e não é nada de outro mundo? Bem, essas coisas que te pegam as vezes não tem explicação, mas posso dizer que a escrita é fluida e mesmo que não aconteça ações demais, tem algo que te prende e de repente você não sente que já leu sei lá tantos capítulos - que são curtos. Mas para além da escrita, tem os personagens, que são cativantes demais! Gostei da Anna, seus amigos, Mer, Josh, Rashmi, e o ótimo Étienne... Difícil começar a dizer o quão bacana ele é, e faltariam muitas palavras para descrevê-lo! O adorei!

     Enfim, uma história simples, contada de uma forma simples, porém de uma doçura e que cativa tanto - seja pela amizade de todos, seja pelo amor, seja por Paris... Que se você quiser ler algo assim bonito, doce e com final feliz, vá já! Recomendo!


     p.s. Ah... Me deu vontade de conhecer Paris...

     









    Início de leitura: 02/07/2013 
    Término: 11/07/2013
    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...