5 de outubro de 2013

Opinião | A Revolução dos Bichos de George Orwell




Título: A Revolução dos Bichos
Autor: George Orwell
Gênero: Clássicos, Fantasia, Política
Ano: 2007
Nº de páginas: 147

Início da Leitura: 09/09/2013
Término: 05/10/2013




Verdadeiro clássico moderno, concebido por um dos mais influentes escritores do século 20, 'A revolução dos bichos' é uma fábula sobre o poder. Narra a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos. Progressivamente, porém, a revolução degenera numa tirania ainda mais opressiva que a dos humanos. Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. Com o acirramento da Guerra Fria, as mesmas razões que causaram constrangimento na época de sua publicação levaram 'A revolução dos bichos' a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell, adepto do socialismo e inimigo de qualquer forma de manipulação política, sentiu-se incomodado com a utilização de sua fábula como panfleto. Depois das profundas transformações políticas que mudaram a fisionomia do planeta nas últimas décadas, a pequena obra-prima de Orwell pode ser vista sem o viés ideológico reducionista. Mais de sessenta anos depois de escrita, ela mantém o viço e o brilho de uma alegoria perene sobre as fraquezas humanas que levam à corrosão dos grandes projetos de revolução política. Escrito com perfeito domínio da narrativa, atenção às minúcias e extraordinária capacidade de criação de personagens e situações, 'A revolução dos bichos' combina de maneira feliz duas ricas tradições literárias - a das fábulas morais, que remontam a Esopo, e a da sátira política, que teve talvez em Jonathan Swift seu representante máximo.





E em manchetes de jornais por aí...

"Rebelião na Granja do Solar"
Os bichos ao que parece, resolveram tomar a Granja do Solar e expulsaram o até então dono, o sr. Jones e todos os humanos de lá.

"A ideia da rebelião partiu de um já velho porco da granja, chamado Major"
Através de uma fonte, soubemos que Major teve a ideia a partir de um sonho que teve.

"'Bichos da Inglaterra", esse é o hino da rebelião dos bichos"
Em um trecho se diz:
"Mais hoje, mais amanhã,
O Tirano vem ao chão,
E os campos da Inglaterra
Só os bichos pisarão."


"A partir de agora, a antiga Granja do Solar se chama: "Granja dos Bichos""
Junto a isso, foi criada uma bandeira, verde e com pintura em branco de um chifre e um casco.

"Quatro pernas Bom, Duas pernas Ruim"
O Animalismo e seus 7 Mandamentos

Agora digo: já imaginaram se isso fosse verdade? Não seríamos páreos para os animais, não acham?


Gostei bastante. Teria gostado bem mais, se não fosse eu estar num período sem vontade de ler e também um pouco pelo final da história, no qual fiquei esperando durante toda a leitura que acontecem algumas coisas e nas quais não aconteceram. Entenda bem, não era uma expectativa criada antes do livro, foi mais mesmo durante a leitura, em que achei que iriam acontecer mais coisas que depois se revelaram não serem do jeito em que fui imaginando a história. Mas enfim, isso não desmerece o livro em nada, já que o problema foi meu. 

Gostei da escrita, que foi fluída e fácil de ler. Além disso, como não achar no mínimo interessante a história e todos os acontecimentos que ocorreram nela? Não digo isso só por ter como protagonistas animais pensantes e falantes. E sim também pela política em volta disso. E sendo assim, um livro que poderia ser dito como algo até infantil pela premissa, não daria para ser, já que desde o início já mostra o lado político dele. 

Como não tenho um conhecimento sobre as guerras e sobre a guerra específica que passava quando o livro foi escrito, não posso (ainda) fazer comparações, mas penso que mesmo assim, dá para dizer que a forma como trata a história começando com a rebelião e terminando em ditadura, foi bem retratada. Imagino que muitas ditaduras comecem assim ou por motivos parecidos, no mínimo. Está lá, começando desde coisas pequenas - como comida por exemplo, em que certos tipos iam só para os porcos - até as maiores - do tipo que manda matar se for contra tal mandamento estabelecido. E foi descrito tudo de forma tão natural, e que ao mesmo tempo em que tais coisas cruéis eram feitas também havia aquela "capa" para cobrir o mal sendo feito, sob a forma de "são traidores e merecem morrer". 

Me impressiona mais o fato desse livro ainda ser tão atual - mesmo tendo sido escrito em 1943. Ainda há ditaduras por aí. Não vou falar nem que ainda há os seres privilegiados, enquanto muitos morrem de fome, nem também muitas outras coisas que são descritas no livro como por exemplo, o trabalho escravo, que também ainda existe por aí. 
Creio que ainda existirá muitas dessas e outras coisas escritas no livro. Apesar de alguns caminhos em alguns lugares estarem melhores que outros, tanto em liberdade de expressão como o respeito pelas pessoas em geral (e também pelos animais), como seres humanos que somos, tão imperfeitos, não mudará tão cedo. Uma pena.

Não quero contar mais tanto, pois começaria a dar spoilers e acho melhor que quem tiver vontade leia e descubra por si mesmo. Vale a pena. Recomendo.

p.s. Esse é o primeiro livro que leio do George Orwell. Acho que a maioria das pessoas começam com o 1984, mas enfim, o irei ler sim e depois de ler este aqui, confirmei mais isso - mas quero fazê-lo num tempo certo, e com vontade de o ler, para poder apreciar mais a leitura. 





2 comentários:

  1. Também li este livro este ano e gostei bastante. Como uma história aparentemente simples é tão complexa e actual:) Beijos

    ResponderExcluir
  2. Concordo Catarina! Achei muito bem descrito coisas tão humanas sendo vista pelos olhos dos animais. :)

    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário e pela visita! :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...